JUSTICE

🇺🇸 A story about a girl from Papua New Guinea was released by Time magazine. They named her Justice, protecting her real identity. She’s now is 7 years old and two years ago she was accused, imprisoned and tortured by the villagers where she used to live, because they considered her as a witch.
 The population in the village chased her, accusing her to be the responsible for her cousin’s illness. They thought that Justice stole the cousin’s heart which they assumed was the reason for her illness. Justice was hung by the wrists and ankles, spanked, she had part of her skin peeled with heated machetes and the leg passed through by a knife. She was tortured through the whole night until 5am next morning.
 Her terrible story reveals how much our world is still influenced for strong actions of intolerance. Unfortunately Justice’s life is marked with other tragedy. Her mother was also accused of sorcery and being the responsible for a child’s death. She was attacked with machetes and burned alive. After the mother’s murder, Justice was relocated to her uncle’s place, but the rumor spread and they chased her there too. Today, Justice is under the guardian of the director of the NGO that provides help to the population in Papua New Guinea. She’s being assisted and helped to rebuild her life.
 If you are shocked with this story as I am, don’t start to blame the other country’s culture, unless you’re sure that we don’t do nothing similar to that. The real justice works to turn evil into good. 
That's it.
Denison 

🇧🇷 A história de uma menina de Papua Nova Guiné foi revelada pela revista Time. Eles a chamaram de Justice, protegendo sua real identidade. Ela tem 7 anos e há dois anos foi acusada, aprisionada e torturada pelos moradores da vila onde vivam, porque acharam que ela era uma bruxa.
 A população da vila perseguiu ela, acusando que ela era a responsável pela doença da sua prima. Pensaram que Justice tinha roubado o coração da prima, o que pra eles era a razão da sua doença. Justice foi pendurada pelos pulsos e tornozelos, espancada, parte de pele decepada com machados e a perna traspassada por uma faca. Foi torturada durante toda a noite até às 5 da manhã seguinte.
 Sua terrível história revela o quanto nosso mundo ainda é influenciado por fortes atos de intolerância. Infelizmente a vida de Justice é marcada por outra tragédia. Sua mãe também foi acusada de feitiçaria e ser a responsável pela morte de uma criança. Ela foi atacada com machados e queimada vida. Depois do assassinato da mãe, Justice foi levada para a cada do tio, mas o rumor se espalhou e perseguiram ela lá também. Hoje, Justice está sob a guarda da diretora de uma das ONGs que oferece ajuda para a população em Papua Nova Guiné. Está sendo amparada e ajudada a reconstruir sua vida.
 Se você está em choque, como eu, por essa história, não condene a cultura de outro país, a menos que tenha certeza de não fazer nada parecido. A verdadeira justiça trabalha para transformar o mal em bem. 
É isso.
Denison 

THE DIVIDING LINE / A LINHA DIVISÓRIA

Legs of a couple standing opposite each other divided by the yellow asphalt line top view
🇺🇸 Everybody can keep talking about the horrible things are happening around the world and it never gonna be enough. If hate rises we shouldn’t feed it with sorrow. We sorrow for the lives taken. But then it comes the major question: how should be the response to hate?
Latest events in Sri Lanka again showed us a picture of our world. We have some different pictures, but unfortunately the images of tragedies like that are getting more room in the photo wall. It’s unacceptable for any part to do something like that. Hiding hate behind of innocent lives, unable to defend themselves or avoid the evil. And it’s hard to admit, but I’m talking about any part in the world, east and west. Let’s not generalize here. I’m talking about those who are taking and hurting lives and offending other people.
Recently I read that Chelsea FC banned 3 supporters for singing in a pub offensive words against the other club’s player. The club used the video for screening the responsible, identified them, punished them and published a note expressing the club would not tolerate those kind of manifestation. We have to congratulate Chelsea for the way they handle the situation and hope it can be taken as an example.
This takes us back to the question, how to respond to hate? How thin is the dividing line between love and tolerance? Is there any relation between being tolerant and the growth of hate? How could a child with bad behavior be stopped? Should we leave the child act offensively or inappropriately? What about the misbehavior of the society? Love and intolerance, it’s the newer lesson to be learned. Can we?
That’s it.
Denison

🇧🇷 Todos podem continuar falando sobre as coisas horríveis que estão acontecendo pelo mundo e nunca vai ser suficiente. Se o ódio cresce não devemos alimentá-lo com lamentação. Lamentamos pelas vidas tiradas. Mas aí vem a grande pergunta: como deveríamos responder ao ódio?
Os eventos recentes no Sri Lanka mostraram de novo uma figura do nosso mundo. Temos várias, mas infelizmente as imagens de tragédias como essa estão ganhando mais lugar no mural. É inaceitável por qualquer parte fazer algo assim. Esconder o ódio por detrás de vidas inocentes, incapazes de defesa ou de evitar o mal. E é difícil de admitir, mas estou falando de qualquer parte do mundo, oriente e ocidente. Não vamos generalizar. Estou falando dos que tiram e ferem vidas e ofendem outras pessoas.
Li recentemente que o Chelsea FC baniu 3 torcedores por cantarem letras ofensivas a jogadores de outro time e nem era no estádio. O clube usou o vídeo para investigar os responsáveis, identificá-los, puni-los e publicou uma nota expressando que o clube não tolera esse tipo de manifestação. Temos que parabenizar o Chelsea pela maneira de lidar com a situação e esperar que isso sirva como exemplo.  
Isso nos leva de volta à pergunta, como responder ao ódio? Quão fina é a linha divisória entre amor e tolerância? Existe relação entre ser tolerante e o crescimento do ódio? Como uma criança com mau comportamento deve ser parada? Deveríamos deixa-la agir inadequada e ofensivamente? E sobre o mau comportamento da sociedade? Amor e intolerância é a nova lição pra aprender. Será que podemos?
É isso.
Denison