LIMITING FACTOR // FATOR LIMITANTE

🇺🇸 The journey of a leader is not a lonely experience. The leader is surrounded by people. The loneliness is related with some particularities of the leadership. The main focus is still on people and leading them to a better condition. Creating a movement will require the attention to a people’s development process.
 Sometimes a leader can struggle trying to develop people. It’s challenging! People are not a machine with buttons. They’re not a computer with a system. We are an living and complex organism, dynamic, with strengths and weakness, desires and rejections. Developing people is not a task for technicians or manual readers. The leaderactive knows that and explores the ways to bring the best of everyone.
 One the important understanding the leaderactive has is the “Limiting Factor”, aka “The Law of the Minimum”, “The Barrel Theory” or “The Liebig’s Law”. Basically is the concept that the limit of one container is the height of the lowest hole, or in a barrel the shortest slat. You can keep pouring the content inside the container, but the point of limitation will keep leaking the content out and will never go above it. Technicians say we need to work on our weakness “to raise the slat”. But weaknesses are weaknesses, they will always be our limitation. We don’t develop people making developing their weakness.
 The powerful way to lead others is to find what they have of best. If you have two knives, one sharp and the other one not, will you use the sharped one or will keep sharpening to the one that does not cut?
That's it.
Denison 

🇧🇷 A jornada de um líder não é uma experiência solitária. O líder está cercado de pessoas. A solidão está ligada a algumas particularidades da liderança. O principal foco é nas pessoas e em conduzi-las à uma condição melhor. Criar movimento requer atenção ao processo de desenvolvimento de pessoas.
 Às vezes um líder sofre tentando desenvolver pessoas. É um desafio! Pessoas não são máquinas com botões. Não são computadores com um sistema. Somos organismos vivos e complexos, dinâmicos, com forças e fraquezas, desejos e rejeições. Desenvolver pessoas não é tarefa para técnicos ou “leitores de manual”. O liderativo sabe disso explora os caminhos que vão trazer o melhor das pessoas à tona.
 Algo importante que o liderativo entende é o “Fator Limitante”, conhecido como “Lei do Mínimo”, “Teoria do Barril” e “Lei de Liebig”. Basicamente é o conceito de que o limite de um contêiner é a altura do buraco mais baixo, ou da ripa mais curta no barril. Você pode continuar a derramar o conteúdo dentro do recipiente, mas o ponto limitante vai fazer ele vazar e nunca vai passar daquele ponto. Técnicos dizem que precisamos trabalhar os pontos fracos para “elevar a ripa”. Mas fraquezas são fraquezas, sempre serão nossa limitação. Não fazemos pessoas melhores desenvolvendo suas fraquezas.
 O jeito poderoso de liderar os outros é encontrar o que têm de melhor. Se você tem duas facas, uma afiada e a outra sem fio, você usa a afiada ou vai ficar amolando a faca que não corta? 
É isso.
Denison 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s